Trabalho Educacional na Stance Dual


O projeto educativo busca articular propostas com vistas a garantir a aprendizagem significativa dos alunos nos diferentes conteúdos em função dos objetivos que se pretende atingir.
Entende-se que cada aluno tem uma maneira muito singular de ser e de estar no mundo, uma modalidade de funcionamento que é única e que, portanto, nenhuma teoria ou ideia pré-construída é capaz de capturar totalmente. Parece que se repete, aqui, uma verdade há muito conhecida e veiculada. Afinal – pode-se perguntar – quem é que não sabe que “cada um é um, diferente de todos os demais?”

Há quatro pilares que sustentam o trabalho educacional. Vale explicitá-los:
• “aprender a conhecer, que significa ser capaz de aprender a aprender ao longo de toda a vida;
• aprender a fazer, que pressupõe desenvolver a competência do saber se relacionar em grupo, saber resolver problemas e adquirir uma qualificação profissional;
• aprender a viver com os outros, que consiste em desenvolver a compreensão do outro e a percepção das interdependências, na realização de projetos comuns, preparando-se para gerir conflitos, fortalecendo sua identidade e respeitando a dos outros, respeitando valores de pluralismo, de compreensão mútua e de busca da paz;
• aprender a ser, para melhor desenvolver sua personalidade e poder agir com autonomia, expressando opiniões e assumindo as responsabilidades pessoais.”
(Brasil- Parâmetros Curriculares Nacionais Secretaria de Ensino Fundamental. MEC/SEF: Brasília,1998.)

A atuação da Orientação Educacional na escola objetiva apoiar os alunos durante todos os momentos da sua constituição, em vários aspectos: social, afetivo, físico e cognitivo.
O olhar “educativo” e cuidadoso para cada pequena atitude ou questão do dia a dia leva à compreensão da cidadania como participação social e política, assim como ao exercício de direitos e deveres. O trabalho leva os alunos a posicionar-se de maneira ética, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais. Em todos os momentos do cotidiano escolar, o diálogo é incentivado como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas.